Crime:

Major da PM é condenado a 45 anos de prisão por sequestrar e estuprar duas irmãs, em Rio Verde.

O major da Polícia Militar Cristiano Silva de Macena foi condenado a 45 anos e 8 meses de prisão por sequestrar e estuprar duas irmãs menores de idade, em Rio Verde, no sudoeste do estado. Ele também foi condenado por adulteração de sinal identificador de veículo. A sentença foi proferida na tarde de terça-feira (17). Cristiano de Macena está preso desde outubro do ano passado. Cabe recurso da decisão.

(CORREÇÃO: O G1 errou ao dizer, no título e no texto, que Cristiano Silva de Macena era ex-major da PM. Na verdade, ele foi exonerado do cargo de comandante da Companhia de Policiamento Especializado, mas continua nos quadros da PM e mantém o cargo de major. A informação foi corrigida às 11h40 de 18 de novembro de 2020).

Em nota, a defesa do policial militar informou, nesta quarta-feira (18), que ainda não foi intimada da sentença, mas que vai recorrer da decisão.

Por sua vez, o assistente de acusação Gilson Lima disse ao G1 que a condenação "traz um pouco de conforto para as vítimas e os familiares", mas que vai estudar a sentença para, se possível, interpor recurso pedindo o aumento da pena.

“Não achamos que será o suficiente diante a monstruosidade que esse ‘homem’ fez, ele destruiu a vida de duas crianças e a vida de uma família inteira. Essa monstruosidade jamais se apagará da mente dessas pessoas, 100 anos de condenação ainda seriam pouco”, afirmou.

Em nota, o assessor da Polícia Militar, Allan Pereira Cardoso, informou que "a PM tem por conduta o cumprimento de todas as determinações emanadas das autoridades competentes, e que irá cumprir a decisão de ordem judicial, cabendo discussões apenas no campo jurídico”.

Como o processo corre em segredo de Justiça, o G1 não teve acesso às determinações da sentença citadas pela assessoria da PM.
Crime
O crime aconteceu no dia 22 de outubro de 2019. Câmeras de monitoramento flagraram a caminhonete de Cristiano perto da casa das vítimas, com a placa adulterada.

O major da PM, à época com 45 anos, foi preso no dia seguinte. Ele era comandante da Companhia de Policiamento Especializado (CPE) e foi exonerado do cargo.

Na ocasião, as vítimas, que tinham 11 e 12 anos de idade, estavam na casa da avó. Segundo a investigação, o major amarrou a idosa e levou as duas meninas até outra casa. Elas foram estupradas e depois abandonadas próximo a uma escola.

Cristiano de Macena foi indiciado pelo crime no dia 1º de novembro de 2019. Em agosto de 2020, ele passou por uma audiência de instrução e julgamento. Na oportunidade, a defesa do policial militar afirmou que ele negava os fatos.

Nota da acusação
“Depois de um longo e tortuoso processo, saiu a sentença de condenação do ex-major da PM Cristiano Silva de Macena, esse monstro, a condenação foi de 45 anos de reclusão. As vítimas e os familiares se sentem um pouco reconfortados diante dessa condenação, vamos estudar todos os pontos da sentença, e onde houver alguma possibilidade de aumento de pena, vamos interpor um recurso para aumentar a pena sim, não achamos que será o suficiente diante a monstruosidade que esse "homem" fez, ele destruiu a vida de duas crianças e a vida de uma família inteira, essa monstruosidade jamais se apagará da mente dessas pessoas, 100 anos de condenação ainda seria pouco. A advocacia criminalista está para servir a sociedade”.

Nota da PM
"A Polícia Militar de Goiás tem por conduta o cumprimento de todas as determinações emanadas das autoridades competentes, e que irá cumprir a decisão de ordem judicial, cabendo discussões apenas no campo jurídico".

(Fonte: G1)