Em Rio Verde:

Polícia começa a analisar os 9 mil vídeos de pornografia infantil encontrados com homem suspeito de estuprar a filha.

A Polícia Civil já começou a analisar os 9 mil vídeo de pornografia infantil encontrados com um homem de 45 anos, que também é suspeito de estuprar a própria filha, de apenas 13, em Rio Verde, região sudoeste de Goiás. O material estava armazenando em pen drives, cartões de memórias e um celular apreendidos na casa do investigado.

A corporação informou que, até este domingo (18), o suspeito ainda não apresentou advogado. Mas alegou informalmente que desconhece quem salvou o conteúdo pornográfico nas mídias e negou ser dono dos arquivos. Sobre o estupro da filha, não se pronunciou.

De acordo com o delegado regional de Rio Verde, Carlos Roberto Batista, o intuito da análise é verificar se ele agia junto com outras pessoas e se cometeu outros estupros.

"Estamos analisando o material para ver como ele teria recebido o material, se tem o envolvimento de outras pessoas e se tem mais alguma vítima próxima dele, como os outros filhos que ele tem", disse ao G1.
Esse trabalho compreende a parte inicial da investigação. A partir dela, segundo o delegado, podem ser pedidos novos procedimentos, como enviar determinadas mídias para perícia do Instituto de Criminalística, em Goiânia, a cerca de 200 km de Rio Verde.

"A investigação cabe à Polícia Civil, que requisita as providências que achar necessário", pontua.

Abuso da filha
O homem foi preso na noite de quinta-feira (15). De acordo com a polícia, os cartões de memória e pen drives têm conteúdo envolvendo crianças entre 3 e 12 anos de idade. Segundo o delegado, em uma das imagens, ele estupra a própria filha.

A polícia revela que as 11 mídias de armazenamento estavam guardadas em um quarto trancado, a que só o homem teria acesso, apesar de negar o crime.

A investigação foi desmembrada em duas partes: a Central de Flagrantes vai tratar sobre a apreensão das mídias pornográficas. Já a Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) cuidar da apuração sobre o suposto estupro da garota.
Irmã denunciou caso à mãe
A polícia apurou que, há alguns meses, a filha mais velha do suspeito, de 16 anos, contou à mãe que a irmã mais nova havia sido estuprada pelo pai. Segundo a corporação, a mulher alegou que estava tentando achar uma prova para denunciar o marido.

“A mãe pediu que a mais velha tentasse filmar para ter prova. A filha conseguiu, mas o pai ficou sabendo da gravação e quebrou o celular, destruindo a prova”, disse o delegado Caio Martines, que realizou a prisão.

Também de acordo com o investigador, apesar de o homem ter destruído essa gravação, havia outra em que ele aparecia abusando da mesma filha, que tinha 13 anos à época. Atualmente, a menina tem 14. O vídeo estava salvo entre os arquivos de pornografia infantil.

“Tinha um vídeo dele estuprando a própria filha no meio dos outros. Ele diz que não sabia das imagens e se exime da responsabilidade”, afirmou o delegado.

Segundo o delegado, como as investigações estão em andamento, ainda está sendo apurada a conduta da mãe. Os agentes querem saber se ela não protegeu a filha mesmo sabendo do abuso ou se realmente fez o que conseguiu diante da situação.

(Fonte: G1)