Acidente:

Motorista que atropelou e matou passageiro de moto durante suposto racha é preso.

A Polícia Civil prendeu na manhã desta quarta-feira (11) Luís Fellipe Resende Cruz, de 23 anos, suspeito de bater numa moto e matar o garupa, em Rio Verde, no sudoeste de Goiás. A corporação investiga se ele participava de um racha, o que a defesa do condutor nega.

Câmeras de segurança registraram o acidente que matou Elísio de Sousa Martins Neto, de 28 anos, no dia 5 de agosto deste ano (veja acima). As imagens mostram que o motorista não para no cruzamento, fura o sinal e atinge em cheio a moto da vítima.

Bruno de Almeida Gomes, de 32, que pilotava a moto, foi socorrido e levado ao Hospital de Urgências da Região Sudoeste (Hurso), em Santa Helena de Goiás, cidade vizinha. Boletim divulgado nesta quarta-feira informa que ele permanece internado com quadro estável, após passar por uma cirurgia na terça-feira (10).

A Polícia Civil informou que dará mais informações sobre a prisão do suspeito, que aconteceu em Pontalina, a 200 km de Rio Verde, no fim da tarde desta quarta-feira. No dia do acidente, os policiais liberaram o motorista porque disseram que não tinham provas de que ele estaria praticando racha.

Protesto da família
A suspeita de que o motorista fazia racha no momento do acidente deixa os familiares e amigos ainda mais inconformados com a morte de Elísio. Na noite de terça-feira (10), eles fizeram uma manifestação para cobrar a investigação do caso.

“A morte do meu filho foi muito violenta. Meu filho era jovem, tinha acabado de fazer 28 anos, tinha acabado de formar, meu filho estava trilhando a vida dele, cheia de sonhos e buscando os sonhos dele”, disse a mãe dele, Vania Beatriz Costa.
A família escolheu o mesmo local do cruzamento onde ocorreu o acidente para realizar o manifesto. Após o carro bater contra a moto onde estavam as vítimas, a motocicleta bateu em uma placa, que estava caída até a noite de terça-feira.

O pai de Elísio, Mateus Flaerte, cobra por justiça. “Queremos que ele pague por isso, porque não é possível que dez horas da noite entram pessoas dentro de um carro e vão fazer racha em uma avenida como essa aqui, então a gente quer é justiça”, disse.

(Fonte: G1)