Duas rodovias em Goiás estão entre as 5 piores do país, diz CNT

64% das rodovias do estado estão entre regular e péssimo.

BR-158, entre Jataí e Piranhas, foi considerada a 3ª pior, e a GO-174, entre Rio Verde e Iporá, a 5ª; 64% das rodovias do estado estão entre regular e péssimo.

As rodovias BR-158, entre Jataí e Piranhas e GO-174, entre Rio Verde e Iporá, ambas no sudoeste de Goiás, estão entre as cinco piores do país, segundo levantamento feito pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT). O estudo concluiu também que mais de 64% das rodovias goianas, ou federais que passam pelo estado estão entre regular e péssimo.

Os dados estão na 21ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias, divulgado na terça-feira (7). O levantamento avaliou mais de 105 mil quilômetros de rodovia, mais de 6 mil em Goiás, percorrendo toda a extensão pavimentada das rodovias federais e as principais rodovias estaduais.

Nenhuma rodovia de Goiás está entre as dez melhores, e duas delas aparecem no ranking das dez piores como "ruins". O trecho da BR-158 entre Jataí e Iporá foi considerado o terceiro pior do país. No percurso entre as duas cidades, a CNT identificou problemas na qualidade do asfalto e na geometria da pista, além de falta de sinalização.

A rodovia é de pista simples e não tem acostamento, e tem movimento intenso devido ao fato da via ser uma dos principais rotas de escoamento da produção agrícola da região. No ranking entre as piores, a BR-158 perdeu apenas para a BR-222, em Marabá (PA) e BA-460, em Barreiras (BA).

Em 5º lugar entre as piores está a GO-174, entre Rio Verde e Iporá. O trecho tem 170 quilômetros, e já chegou a ser conhecida pelos moradores da região como "rodovia da morte". O local é movimentado, com tráfego intenso de caminhões, principalmente responsáveis pelo transporte da produção de grãos.