Em Rio Verde:

Inaugurada sala de aula dentro de unidade prisional.

  João (nome fictício), de 59 anos, ainda não sabe responder à pergunta proposta em sua tarefa: quem sou eu? “É difícil falar da gente, é difícil explicar”, afirmou. No caderno novo, ele escreveu o nome, pela primeira vez. “Quando eu cheguei aqui, não sabia escrever nem meu nome. Agora eu já sei. Sou o   João”, completou. Além de ler e escrever, o reeducando diz que também está aprendendo a “viver direito”. Foi com o caderno aberto nessa folha que ele assistiu a inauguração da sala de aula do projeto Edução de Jovens e Adultos (EJA), no Centro de Inserção Social (CIS) de Rio Verde. As aulas começaram há cerca de um mês, mas foi nesta quinta-feira (19), que o local foi inaugurado oficialmente.

  Por meio de uma parceria entre o Poder Judiciário e a Secretaria Municipal de Educação, 16 reeducandos poderão estudar. Segundo o idealizador do projeto, juiz Eduardo Alvares de Oliveira, da 1ª Vara Criminal de Rio Verde, a ideia surgiu há cerca de dois anos com alguns parceiros e hoje o sonho se tornou realidade.

  Ele acredita que muito mais do que antecipar a saída deles do sistema prisional, por meio da remição pelo estudo, os reeducandos “poderão ser libertados da falta de ensino e de educação”. De acordo com ele, a seleção dos privados de liberdade para integrar o projeto passa pela quantidade de pena que eles ainda tem a cumprir, a natureza do crime que praticaram e, sobretudo, o comportamento deles dentro do estabelecimento prisional. “Tentamos selecionar aqueles presos que têm melhor comportamento e um maior potencial de ressocialização”, explicou.

  O promotor da Execução Penal de Rio Verde, Alberto Francisco Cachuba Júnior, lembrou que é curioso falar de educação dentro da prisão. Segundo ele, as pessoas já têm uma visão formada sobre a vida dentro das cadeias. “Um lugar onde as pessoas ficam o dia inteiro sem trabalhar, sem fazer nada, sem estudar, sem atividade física. Aqui, estamos dando um passo. O importante da educação é que ela abra uma outra possibilidade. Portanto, é importante que vocês pensem em sair daqui livres de alma; porque existe uma outra prisão muito pior que é essa física, que a é da alma. Aqui vocês podem se livrar disso que é não saber ler, escrever, não saber contar um dinheiro. Porque o dia que a gente adquire conhecimento, isso traz liberdade”, salientou.

  O presidente do Conselho da Comunidade, Mardem Douglas Araújo Borges, destacou que o momento é “um divisor de águas”. De acordo com ele, há muito tempo a comunidade sonhava que isso acontecesse. “O doutor Eduardo nos deu apoio e fez com que o nosso sonho se tornasse realidade. Aqui, cada um está exercendo sua cidadania, para o trabalho, para se tornarem as pessoas mais autônomas e mais felizes”, enfatizou.

Oportunidade

  Para o gerente de 6ª Gerência Prisional do Sudoeste, Videbal Alves dos Reis, e para o diretor do CIS, Diego Alves Rodrigues, a concretização do sonho é fruto da parceria do Poder Judiciário de Rio Verde, Ministério Público local e a população. “Nós estamos fazendo nossa parte. Porém, vocês devem aproveitar cada momento e a oportunidade que estão tendo aqui dentro. A educação é a base de tudo o que acontece na vida de vocês. Se dediquem ao máximo para conseguirem melhores oportunidades lá fora”, ressaltou Videbal.

  O secretário de Educação de Rio Verde, Miguel Rodrigues Ribeiro, também falou aos reeducandos. Para ele, considerando a atual situação carcerária no Brasil, com suas penitenciárias lotadas, o que está sendo feito em Rio Verde serve de modelo para todo o Estado. Portanto, vocês aproveitem ao máximo a chance que estão tendo. A mudança de suas vidas depende somente de vocês”, finalizou.

  Oportunidade única da vida de *Receba (nome fictício), de 27 anos. Ela reconhece o esforço de todos os envolvidos para que a sala de aula no CIS esteja funcionando. “É dificil alguém tirar o tempo para se dedicar à gente, sabemos que estamos aqui porque fizemos coisas erradas lá fora. Aqui quero aprender o que não tive oportunidade; porque quero ensinar para os meus filhos. Como que a gente ensina algo sem saber?”, questionou ela (foto à esquerda), que tem cinco filhos.

  Também estavam presentes na solenidade a professora do EJA no CIS, Klênia Fátima Silva Gouveia; a coordenadora Pedagógica da Secretaria Municipal de Educação, Cármen Rejane Antunes Simões; secretária-geral do Conselho da Comunidade de Rio Verde, professora Delma Erks; e o presidente da Câmara Municipal, Lucivaldo Tavares Medeiros, entre várias outras autoridades.


 (Fonte: Centro de Comunicação Social do TJGO)